Menu

Associados

Tragédia da Samarco atingiu até o próprio ramo de mineração no Rio Doce

Imagem: Ramon Lisboa/EM/D.A Press Imagem: Ramon Lisboa/EM/D.A Press

A tragédia de Mariana, considerada o maior desastre socioambiental da história do país, não prejudicou apenas o meio ambiente e populações inteiras no caminho da lama. Até mesmo pessoas do mesmo ramo da empresa responsável pelos danos, a mineradora Samarco, foram afetadas. Dono dos direitos para a extração de ouro em boa parte do Rio Doce, o minerador João Batista de Oliveira, de 46 anos, não consegue retirar mais um grama do metal precioso do manancial desde o rompimento da Barragem do Fundão, em 5 de novembro de 2015. “Seis das minhas dragas afundaram com o rejeito que veio pelo rio e a Samarco não me reconhece como atingido. Até hoje não recebi nem uma garrafa de água. Como ninguém sabe se o rio está contaminado, não consigo gente para operar as dragas, nem investidores para tocar a mineração. Estou devendo R$ 300 mil e com o nome sujo na praça”, lamenta o valadarense.

No município vizinho, Conselheiro Pena, quem tirava alguma renda com a venda dos peixes que fisgava no Rio Doce não consegue mais vender nada, apesar de a atividade estar liberada para espécies exóticas. “Ninguém compra peixes do Rio Doce, nem da região, com medo de estarem contaminados. Você não consegue vender nem se pescar em outros rios, porque está todo mundo desconfiado”, reclama o agricultor e pescador Jonas Ferreira de Souza, de 66. Enquanto isso, espécimes que foram salvos no dia que a lama passou pela região ainda estão em tanques, sem qualquer auxílio dos responsáveis pela maior tragédia socioambiental do Brasil.

O caso dos peixes e da contaminação do rio são reflexos de falta de informação e de ações consideradas ainda muito tímidas no que diz respeito à reparação ambiental das áreas destruídas ou contaminadas. O próprio plano de recuperação de áreas devastadas pelo rompimento da Barragem do Fundão, que deve ser intensificado em 2018, prevê ações nos próximos 20 anos, mas especialistas estimam que o meio ambiente não se recuperará em menos de cinco décadas. “Há impactos gravíssimos que deverão persistir nos próximos 50 anos. A recuperação da microfauna, que é fundamental para o ecossistema, e também aquele material depositado entre as baixadas e os rios, que recircula com as chuvas, são impactos importantes, que precisam ser estudados e são de difícil solução”, afirmou o biólogo Carlos Joly, do Instituto de Biologia IB/Biota-Fapesp, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em evento sobre os dois anos do desastre.

O medo de mergulhar em um rio poluído e afetar, com isso, a sua saúde afugentou os últimos operadores de dragas que o minerador João Batista tinha trazido de Porto Velho (RO) para a região do Rio Doce. “Os trabalhadores têm de mergulhar e ficam até duas horas sondando o fundo do rio com a draga. Mas ninguém mais quer descer lá, com medo de pegar alguma doença, de morrer contaminado por causa do tanto de rejeito que ainda está no fundo. Minha atividade acabou”, afirma. De acordo com ele, a maré de rejeitos que desceu pelo rio afundou suas dragas. “Parece que aquela lama enferruja os flutuadores das dragas mais rápido, e com isso eles se romperam, encheram de água e afundaram”, lamenta.

O medo de quem não compra peixes pescados na Bacia do Rio Doce acaba sendo corroborado por estudos que atestam o alto grau de contaminação dos animais. De acordo com exames feitos pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), 60% dos espécimes coletados no Rio Doce, na região da Barragem de Baguari, em Governador Valadares, apresentavam contaminação por metais pesados como mercúrio, cádmio, chumbo e arsênio. “São contaminantes extremamente nocivos para a vida aquática e para a saúde humana também. Não devem ter sido desprendidos dos rejeitos em si, mas acumulados ao longo dos anos, principalmente das atividades minerárias nos rios do Carmo e Gualaxo do Norte. Isso tudo acabou sendo revolvido do fundo pela lama quando desceu da barragem”, afirma o professor de recursos hídricos da instituição, Alexandre Sílvio Vieira da Costa. Relatórios do Igam também detectaram a presença de mercúrio na região em 2016.

Em Baguari, distrito de Valadares, o aposentado Elber Geraldo da Silva, de 54, diz manter pelo menos 20 mil peixes resgatados do Rio Doce em dois tanques que ficam em uma propriedade à margem do manancial. “Nem a Samarco nem a Renova nunca apareceram para dar nem um grama de ração para esses bichos. São os peixes que a comunidade salvou do Rio Doce e que estão dentro desse tanque há quase dois anos. Era para ser a chance de renovação do rio, mas ninguém liga para isso”, lamenta.

Renova faz defesa de ações de recuperação
A Fundação Renova informa que foram instalados 92 pontos de monitoramento da qualidade da água ao longo do Rio Doce e que a presença de peixes foi identificada, inclusive em locais onde os rios foram severamente impactados, mas ainda não há informações sobre a contaminação desses espécimes. A fundação também rebate a ideia de que pouco foi feito até o momento. De acordo com o diretor de programas da Renova, Marcelo Eduardo Figueiredo, uma área de 800 hectares já foi recuperada. “Nessa primeira etapa fizemos a reconformação geométrica (das calhas e das margens do rio), implantamos sistemas de drenagem nos 117 primeiros quilômetros, tudo isso com processos de bioengenharia”, afirma. O plano de manejo dividiu os trechos de rios impactados em 17 áreas onde ocorrerão diferentes ações de recuperação. “As ações vão desde a retirada do rejeito até a bioengenharia nas margens, drenagens nas áreas de recarga hídrica, revegetação de tudo nas planícies, cercamento, são diversos tipos de ações”, afirma.
Continua depois da publicidade

Das 10 mil nascentes identificadas ao longo do rio, mil foram cercadas, afirma. Uma área de 40 mil hectares será reflorestada a partir de 2018 em trechos ainda não divulgados. Sobre os peixes de Baguari, a Renova informou não ter informações sobre esses reservatórios, mas afirma que 1.100 animais domésticos e de criação impactados estão ainda sob a custódia da fundação em três fazendas. “Neste primeiro momento, as ações para a fauna silvestre são ainda as emergenciais, mas temos projetos prontos para serem executados com diversas entidades e que vão ser realizados levando em conta áreas de conservação e a continuidade dessas áreas”, disse o presidente da Fundação Renova, Roberto Waack.

fonte: em.com.br, escrita por Mateus Parreiras

Newsletter

Cadastre-se em nosso informativo e mantenha-se atualizado.

Associados