Menu

Associados

Guedes estima economia de R$ 300 bi em 10 anos com a reforma administrativa

Imagem: Elegant01, de envatoelements Imagem: Elegant01, de envatoelements

O ministro da Economia, Paulo Guedes, estima que a reforma administrativa resultará em uma economia de R$ 300 bilhões ao longo de 10 anos. Segundo ele, a projeção foi feita de forma “muito moderada”.

“A reforma previdenciária foi R$ 800 bilhões, a administrativa são R$ 300 bilhões. Quando você vai somando tudo isso, você recuperou o controle sobre a trajetória futura da despesa pública”, afirmou o ministro, que defende que a reforma seja aprovada ainda em 2020.

A proposta da reforma administrativa foi apresentada em 3 de setembro ao Congresso Nacional. Na época, a equipe econômica não informou as estimativas de economia caso a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) fosse aprovada pelo Legislativo.

O texto propõe o fim da estabilidade para parte dos novos servidores. As mudanças valerão para os funcionários dos Três Poderes da União (Executivo, Legislativo e Judiciário), Estados e municípios.

Topo do funcionalismo ganha pouco
Durante a videoconferência, Guedes defendeu maior “meritocracia” no funcionalismo público. “Um jovem que entrou agora um concurso tem que ser avaliado por 2, 3, 4, 5 6, 7 anos por gente muito experiente, que vai avaliar se ele joga bem em equipe, se ele é confiável ou é 1 dos vazadores gerais –que está sempre vazando coisa”, diz.

Segundo o ministro, depois desse período de avaliação, o servidor por ser promovido e bem remunerado ao longo da carreira.

“Acho 1 absurdo os salários da alta administração brasileira. São muito baixos. Tem muita gente preocupada com o teto. A minha preocupação é o contrário. Para preservar pessoas de qualidade no serviço público nós temos [que valorizar]“, disse. Hoje, o teto é de R$ 39,2 mil. O valor é o equivalente a 1 salário de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

Sem isso, segundo Guedes, muitos funcionários tendem a migrar para a iniciativa privada. “Vão levar todo mundo. É questão de tempo. Vai ser difícil manter gente de qualidade a não ser que o setor público também entre na lógica da meritocracia. Tem que haver uma enorme diferença de salários na administração pública sim”, afirmou.

“Estou olhando para o Bruno Dantas [ministro do TCU que estava na videoconferência], que é 1 jovem, e em qualquer banco ganharia US$ 2 milhões, US$ 4 milhões por ano fácil. É difícil convencer o Bruno a ficar no TCU no futuro. Vai ser muito difícil porque ele vai receber várias propostas. Cada 1 do setor privado que passa por aqui e vê o conhecimento dele nessas matérias vai querer leva-lo”, disse.

Depois, Guedes continuou dando exemplos: “O ministro Gilmar Mendes já é mais difícil de remover porque virou a instituição em si, mas vão tentar levá-lo também. Já levaram o [Nelson] Jobim […]. O Mansueto [Almeida, ex-secretário do Tesouro] ganhava 20% acima de 1 jovem que acabou de ser aprovado num concurso público para a carreira Judiciário, por exemplo. Não é razoável isso. Tem que haver uma valorização”.

fonte: MSN Notícias, com informações do Poder 360 (escrita por Douglas Rodrigues)

Pesquisa

Newsletter

Cadastre-se em nosso informativo e mantenha-se atualizado.

Associados